VERAO + FERIADO + PRAIA = ALEGRIA

Estamos no auge da estação verão, feriado chegando em breve e você pensando em ter uma casa na praia? Nós te ajudamos com a decoração!

Praia pede colorido, despojamento, rusticidade. A areia entra em casa pelos pés, pela roupa, as vezes até no cabelo! A maresia está no ar e facilmente corrói materiais construtivos e de acabamento menos resistentes.

Chita, ah chita é tudo de bom! Mas não precisa ser sempre chita não! Pode ser uma decoração menos vibrante se você não está acostumado a toda essa explosão a que o verão nos remete. Use doses homeopáticas. Vamos dar uma olhada nas referências que separamos para vocês?

Brasipiso – www.brasipisomoderno.com.br

Pequeno e delicioso lounge! Essa idéia é muito esperta! Incorpore no seu projeto um espaço de descanso e contemplação. Após um banho de sol e mar, sempre bate aquele cansaço gostoso, vontade de tomar algo gelado e relaxar. Conforto aqui é essencial. Piso agradável ao toque e resistente, estofado macio com tecidos do tipo acquablock (hidrorepelente, mais resistente ao sol), móveis rústicos, flores. São pequenos elementos que juntos dão aquele clima alegre e restaurador.

Seu estilo é um pouco mais rústico e festivo? Vamos lá!

Cor!!! Combinando com a estação esse ambiente traz o sol na parede, a alegria incondicional da chita e o vermelho vibrante nas poltronas. Mas note que legal! Te parece fresco apesar das cores quentes? O cimento no piso e o verde intenso na parede ao fundo se incumbem dessa tarefa. Além disso a chita vem em tons de azul, lembrando o mar, o céu… Os puffs de palha e os móveis bem rústicos dão a liga a essa receita despojada.

Sua onda é churrasco?? Vem com a gente!

Estudio Barino Interiores

Mais uma vez a rusticidade! Clima forte de praia com a esteira de bambus no forro. A mesa de jantar e portas dos armários em madeira. Os assentos mais parecem banquetas de bar. Tem um detalhe na madeira ali? Maquinado? Pastilhinhas azuis em mosaico pra refrescar (novamente o truque da cor).

Seu espaço é menor? Olha só:

Brasipiso – www.brasipisomoderno.com.br

 

Mesmo num pequeno ambiente podemos usar a cor, a madeira, o cimento para amenizar o calor escaldante da praia.

Sem espaço externo? Fique tranquilo. Você não vai ficar de fora!

ARQ_IN

Em áreas anexas é possível manter o clima de praia, usando cores, materiais e uma linguagem mais divertida. Observou as plantas na parede? A cortina de palha? As banquetas e o azulejo bem alegre combinando com a geladeira? É isso!! Dentro as cores quentes e a continuidade do piso levam a essa conversa com o exterior.

 

Satisfeito? Quer mais? Escreve pra gente contando suas impressões!

 

Assine nossa newsletter!

 

Lavabo bem resolvido

“Lavabo é um depósito de água (por exemplo uma pia) para lavar as mãos”

Wikipédia

O menor cômodo da casa, em geral, é também um dos mais elaborados quando o assunto é decoração. Já percebeu isso? Para ele são selecionados os melhores materiais, as melhores louças, os metais mais bonitos, a toalha mais nova, flores e por aí vai. Não é sem sentido todo esse cuidado. O lavabo, assim como o hall de entrada, são os cartões de visita da casa por assim dizer. Queremos oferecer o melhor para quem chega! Receber com aconchego e carinho!

E quando compramos o imóvel dos sonhos, seja novo ou usado, é exatamente ali que podemos ousar. Um lavabo com personalidade encanta. Temos aqui um antes e depois que viaja justamente nessa idéia. Abaixo como foi entregue pela construtora. Sem piso, com a cuba padrão do empreendimento.

Antes

E nesta outra foto com o toque da designer. Piso e meia parede em porcelanato de grandes formatos. Filetes de metal especialmente confeccionados para o projeto. Espelhos na metade superior da parede para ampliar o espaço exíguo. Modelo de bacia super bacana da Deca.

Depois

Ousadia é o mote de outro lavabo incrível que a Kelly da Kfloreste Arquitetura e Interiores desenvolveu para uma residência em Jundiaí. Com metais em cobre e piso + paredes em cimento marmorizado, ele se destaca pelo minimalismo e personalidade. Nas palavras da arquiteta:

“O desejo da cliente desde o início foi usar uma cuba em cobre, por isso fiz essa composição em marmore branco para destacar a peça tão desejada e o cimento cinza escuro da Brasipiso veio completar o estilo contemporâneo que eu buscava para esse projeto! O resultado ficou mesmo muito bacana!”

Mais um projeto que leva cimento, nesse caso muito bem acompanhado por uma linda parede de madeira entalhada (ou seria um porcelanato que imita fielmente a madeira?):

Alguns detalhes a destacar, o suporte de ferro trabalhado vem direto das Minas Gerais. De Tiradentes, para ser mais precisa. A cestinha de latão virou porta papel. E o ralo é do tipo que pode até ficar aparente. Por ter um excelente acabamento, não faz feio.

E você? Tem um lindo lavabo para mostrar?

Manda pra gente?

Lindo final de sábado para você!

Assine nossa newsletter!

 

Ficha técnica:

Lavabos 1 e 3 – designer: Fabi Congio

Local:

1 –  BairroTatuapé – São Paulo – SP

3 – Itupeva – SP

Contato: fabicongio@gmail.com

Lavabo 2 – Arquiteta Kelly da Kfloreste

Local:

2. Jundiaí – SP

Contato: contato@kfloresteprojetos.com.br

Um toque de cor e de vida

Quando converso com alguém a respeito de decoração, projetos e afins, a primeira pergunta, a dúvida geral que encontro é a seguinte: qual cor colocar nesse ou naquele ambiente? Pinto ou não a parede da sala de x ou y cor?

Parece que sem cor o ambiente vai ficar sem graça, meio morto, com cara de hospital como muitos temem.

Num projeto de decoração completo a cor embora relevante não tem tanto peso quanto a maioria das pessoas imagina. O espaço preenchido ou vazio, a iluminação dirigida ou geral, os acabamentos e texturas, os móveis e objetos são na verdade a alma de um espaço. A cor nesse sentido vem somar e dar vida a um ambiente por si só harmonioso. Um bom projeto é aquele no qual qualquer cor encontra seu lugar, onde poderia ser substituída sem comprometer a harmonia, o todo.

Com o lay out – posição de todas as coisas – definido, com os móveis mensurados (ninguém quer comprar um sofá que não cabe na sala), com os acabamentos especificados (cimento queimado ou porcelanato, madeira ou laminado, etc)  somente aí nos preocuparemos com os detalhes. Nos damos conta então de que o projeto parte de outras premissas, outras necessidades. Para no fim, ser preenchido de vida. De cor. E essa cor não precisa necessariamente estar nas paredes ou nos móveis. Se nos colocarmos como observadores neutros, podemos perceber isso. Olha só essas imagens:

 

 

 

Recortei o original para que você possa captar melhor os detalhes. No primeiro quadro temos uma sala base. Cimento queimado, palha da mesa e outra fibra presente nas cadeiras, sisal do tapete – ou seja acabamento, móveis e objeto – são todos elementos neutros. Percebe que o destaque maior, o contraponto é o verde lá fora?

 

 

 

 

 

 

 

 

No segundo quadro temos os mesmos elementos e um vaso verde que chama a atenção novamente por se contrapor a neutralidade do restante do ambiente.

 

 

 

 

 

 

Por fim, no terceiro quadro (miniatura) temos mais objetos e vegetação interna reforçando a cor. Ela não deixou de aparecer. Poderia ser substituída tranquilamente por outra (azul, vermelho, amarelo) pois os elementos chave são todos neutros e permitem esse tipo de mudança. Eles seguram a onda.

Vejamos mais exemplos:

Essa idéia de base sólida e de cor que dá vida, pode se estender também aos adornos, aos objetos. Vamos nos apropriar de outra imagem:

 

Qual é o elemento de destaque para você nesse ambiente? Para mim, são as caveiras. Eu poderia até dizer que aí falta um pouco de cor, um tapete, algo assim. Mas definitivamente meu olhar é atraído para o dourado da caveira. Para seu toque inusitado. São itens que podem causar espanto, estranheza ou a mensagem de algo moderno, mas certamente não passam despercebidas. No restante o ambiente é novamente neutro. Apenas as caveiras e o quadro distraidamente _ ou não? – deixado atrás do sofá é que captam minha atenção nessa cena. E são apenas objetos, adornos. Percebe como a base bem feita é importante? Poderíamos trocar as caveiras por corujas marrons, pássaros de porcelana azuis, vasos vermelhos, objetos em tom de cobre, conseguiu imaginar? Nada disso importa. Nenhuma alteração desse tipo iria tirar a harmonia da cena, pois a base ali está bem definida.

Quer mais um exemplo?

 

Observando essa sala de jantar ai de cima você acha que falta algo? Sofá, cadeiras e piso são quase na mesma cor, alterando praticamente apenas os tons. Os aparadores lá atrás são em tom de madeira, objetos sobre eles também seguem os mesmos tons e características do restante do ambiente. Até o tapete que é colorido, parece não fugir dos tons presentes. Então que tal fazer um pequeno exercício? Imagine colocar nesse mesmo aparador algum objeto em vermelho. Ou amarelo, ou qualquer cor que lhe agrade (exceto é claro as que já estão ali). Destoou? Ficou bom? Virou ponto focal? Deu vida? Pesou??

Você faria algo parecido?

Deixe sua impressão aí nos comentários!! Queremos muito saber o que você pensa a respeito.

E assine nossa newsletter!! Vamos amar compartilhar com você um pouco de tudo que a gente vê.

 

Nota: todas as fotos são de clientes Brasipiso Moderno.

Profissão: designer

Nossos últimos posts sobre Estilo e Funcionalidade, forneceram material para entendermos um pouco mais sobre decoração e sobre o trabalho dos designers.

E afinal, o que faz um designer de interiores? É o arquiteto ou o técnico em interiores que se especializou em definir layouts, compor ambientes, criar cenários, especificar materiais de acabamento, desenvolver projetos luminotécnicos, acompanhar a execução de reformas ou as últimas etapas do processo construtivo. Vai muito além de simplesmente decorar.

Traduzindo, ele é o cara ou a garota que você chama quando precisa definir que tipo de piso, acabamento de paredes e tetos, tipo de luminárias, móveis e afins melhor se adequam ao seu estilo, ao projeto da sua casa, as suas necessidades (função) e ao seu bolso. Sim porque sempre é possível com criatividade e bom gosto, compor um ambiente agradável independente dos recursos.

O designer de interiores cria algo valioso e único a partir das necessidades e sonhos dos clientes.

Vamos entender na prática o que significa isso. Olha só essa cozinha da foto aí de baixo.

Todos os elementos que você consegue visualizar foram escolhidos pela designer. Exceto as plantas lá de fora que fazem parte da reserva do condomínio.

O piso literalmente sobe pela bancada que parece brotar do chão, ambos em cimento tecnológico. Esse acabamento foi escolhido por vários motivos. Primeiro, abraçava o desejo e estilo dos proprietários. Mudanças planejadas os levaram da capital de São Paulo para o interior do estado. Um filho pequeno, a necessidade de viver mais próximo da natureza, simplificar, tirar o ruído e a poluição visual e sonora de cena foram os motivadores e guiaram também o projeto. Segundo, a facilidade na execução (obra sem entulhos) e na manutenção. Basta um pano úmido e detergente neutro para a limpeza do dia a dia. De tempos em tempos é bacana reaplicar a resina. E só. Terceiro, pelo fato de ser tecnológico sua durabilidade é bem maior do que um cimento comum. Veja nosso post sobre cimento queimado feito na obra e você vai entender.

A paginação de piso (desenho que esse piso terá) inclui o mosaico em ladrilho hidráulico para quebrar o cinza e trazer alegria e movimento. O mesmo acontece com os bricks que aparecem atrás da bancada. Seu tom laranja, sua textura e desenho “casam” perfeitamente com o forno a lenha e a churrasqueira que embora não estejam tão visíveis na foto se encontram embutidos nessa parede. É a beleza do barro presente nesse cantinho!

A cuba com profundidade maior do que as comuns e o cooktop completam a área gourmet.

As luminárias de sobrepor se tornaram necessárias pois foram instaladas diretamente na laje e seguem esse estilo mais contemporâneo, limpo e despojado que permeia todos os ambientes. Os pendentes foram executados pelo proprietário, um engenheiro elétrico, a partir de instruções da designer.

O belo projeto arquitetônico, nesse caso desenvolvido por outro profissional, contava com janelas e portas do tipo piso ao teto. Na visão do arquiteto as paredes seriam originalmente brancas. Porém, o trabalho do designer técnico modificou essa premissa. Todo o projeto de interiores foi pensado para valorizar o que havia lá fora. Assim o teto e as paredes passaram a ter acabamento parecido com o do piso e bancada. E essa escolha de acabamentos promoveu de quebra uma sensação de continuidade que compensou o pé direito extremamente baixo. Quem entra ali não tem a menor noção do tamanho real do ambiente. Esse trunfo da decoração é resultado do estudo aprofundado feito pelo designer.

Em suma, o trabalho de um designer de interiores envolve conhecimento técnico, pesquisas, constante atualização e principalmente muito estudo de cada ambiente, cada projeto, cada família, cada pessoa a qual atende.

Por mais que o Pinterest e outras ferramentas virtuais ajudem e inspirem, não abrangem todos os aspectos envolvidos no decorar. Percebe?

Está gostando dos posts? Quer seguir a gente?

Assine nossa newsletter!

Ficha técnica:

Arquiteto  – Frederico Zanelato

Designer de interiores – Fabi Congio

Engenheiro/Construtor – Carlos Henrique Poli

Cimento Tecnológico – cimento marmorizado e polimérico da Brasipiso

Cuba – De Bacco

Torneira monocomando – Docol

Porcelanato tipo ladrilho hidráulico – Coleção Lisboa Portinari

Luminárias – Ômega Light

Bricks – Portobello

 

Estilo

Você gosta de decoração? Sabe o que deixa um espaço harmonioso? Vamos explorar um pouco essa idéia?

Pensando na nossa foto principal, o modelo aí de cima. Qual é a sua primeira impressão sobre ele? É um espaço agradável para você? Gostaria de viver num lugar assim?

Suas respostas são só suas. Únicas! Elas constituem o que chamamos de estilo. Cada um tem o seu. Clássico, despojado, moderno, industrial, minimalista, extravagante… são vários os adjetivos possíveis. Encontrando o nosso estilo pessoal criar um ambiente personalizado é muito mais fácil.

Nessa foto temos a base que é o cimento queimado. Aliás, nesse caso o cimento tecnológico, um “primo” muito mais durável, uniforme, sem juntas. Ele permeia todo o ambiente prolongando-se pelo piso e subindo literalmente pelas paredes. Confere um ar de modernidade e de continuidade ao ambiente. Um truque excelente para ampliar os espaços pela unicidade dos materiais.

Para quebrar o cinza e deixar a cozinha viva, divertida, com a “cara do dono” apareceu por ali um pôster em tons de amarelo e verde com frases sugestivas.

Olha o charme desse espelho e do cabideiro logo abaixo? Delimitando com maestria a área destinada a bolsas, guarda chuva e afins logo à chegada. Dá até pra revisar o cabelo antes de sair!

A parede de tijolos a vista aquece o ambiente. Agrega trazendo uma textura mais trabalhada. Sobre a madeira da bancada e dos gabinetes podemos dizer o mesmo.

Esse mix de materiais (cimento, tijolo e madeira) tiram a monotonia, enriquecem e trazem aconchego quando combinados.

Equilibrar esses elementos todos temperando a decor é a base do trabalho de um designer de interiores.

Essa foto foi enviada para nós por um cliente super satisfeito com o cimento tecnológico produzido pela Brasipiso. Você já conhece esse produto? Sabe das suas qualidades? Posta um comentário aí pra gente!!

 

Artigo escrito por Fabi Congio, designer de interiores, analisando o ambiente decorado pelo cliente Brasipiso.

 

www.brasipisomoderno.com.br